Minha paisagem favorita

Minha paisagem favorita não é praia, nem neve, muito menos uma selva de pedras… Minha paisagem favorita é um belo campo, com morros, árvores, muitas árvores, natureza, bichinhos de todos os tipos. Minha paisagem favorita é a que lembre a infância, é a paisagem da minha terrinha… Aqui cresci livre, solta, aprendendo a desbravar o mundo toda cheia de coragem. O mundo que eu “desbravava”, junto com meu irmão era esse, correndo por todos os cantinhos, sempre com nossos amiguinhos de quatro patas junto nos guiando e protegendo.

A minha paisagem favorita, é também meu lugar favorito. Cada pedacinho de chão traz à tona sentimentos, com tempero de sonhos dos mais profundos. Quando vou para lá, tudo volta à mente, os dias alegres, as artes que fazia por aí, os longos dias andando de bicicleta, nadando na “sanga”, jogando futebol com os meninos daqui (porque eu só tinha vizinhos meninos por um bom tempo) e sonhando… Sonhando um dia brilhar, assistindo televisão (naquela época eu não tinha internet) e imaginando um dia aparecer em algum programa, desfilar, quem sabe ser uma Rainha de município, ou até mesmo o mais ousados dos sonhos para uma menina ali de linha Cereja, quem sabe um dia ser Miss Brasil? Ah, mas era só um sonho, bem escondidinho no coração, mas que foi o combustível para toda a ousadia necessária na vida. Quando volto para minha terrinha, é essa explosão de sentimentos que me balança, as lindas lembranças, misturadas com as lembranças de tempos mais difíceis, onde coisas simples pareciam grandes desafios, e eram grandes desafios, porque a vida como eu digo hoje, não é um moranguinho, nem no interior, nem em grandes cidades, nem em lugar algum.

A gente cresce, e aprende que o mundo lá fora apesar de brilhante é complicado, é difícil. Que pessoas são seres cheios de interesses, e onde menos se espera tem um lobo mau esperando atrás da árvore, pronto para atacar. A injustiça rola solta, e nem sempre a gente consegue o que deseja, por mais merecedor que pareça ser… Conquistas, oportunidades, se misturam com pessoas, algumas pessoas com seus preços (muitas), e outras com seus valores, como os que eu guardo com muito orgulho. No final das contas, eu só queria que o mundo fosse tão inocente e amável quanto minhas lembranças de infância…

2016-09-09-21-30-25

Postagens relacionadas